4

Gastrite Vírica

Ando a 120 à hora. Na estrada a 140 porque exige-se mais que a pontualidade.
Por esta altura já lá vão 2h30 a pé. Ela sempre ensonada lança-me pragas sempre que a deixo no infantário. De coração apertado engulo-o para bem fundo do meu estômago.
Quando chego ao outro lado já vou bem acordada. E pronta para outra maratona.
Ali estão sempre com pressa e pouca paciência.
A hora do almoço também exige rapidez pois para além de comer também quero respirar.
Saio dali a correr porque já vou atrasada e ainda tenho uma fila de transito para transpirar de nervos... e ela à minha espera.
A inauguração aproxima-se. Estou ansiosa. De folga mas presente.
Correu tudo bem e foi giro, confesso, também gostei. Mas mal saio pela porta dos fundos um bocadito mais cedo tenho uma chamada fatídica.
Corro mais uma vez, para o carro, para a casa da avó, para o hospital... e "durmo" numa cadeira ao lado dela atenta aos seus movimentos e afogada em sentimento de culpa.

4 comments:

Filha do Vento disse...

És uma super mãe...
Temos muito orgulho em ti... e certamente ela também.

alice disse...

as melhoras para esse lado, Lou.
Uma gastrite semelhante também já passou por aqui em tempos passados e não é coisa fácil :(

Sílvia disse...

vai tudo correr bem...
dos problemas e das doenças geralmente saímos sempre mais fortes!
força para as meninas

domino disse...

Penso mil vezes como aguentamos fases assim... a vida assim...
Desejo-te força e paz! O Meu avô deu um super queda no sábado passado e foi um virote.
A vida é tão exigente.
Sinto orgulho sabendo que estás à altura!